Porque será que a tua “barriguinha” não desaparece

Beleza, Saúde
3 Out, 2016

A gordura localizada, mais concretamente a famosa “barriguinha”, é uma das maiores preocupações para quem a tem.

Se tens ou já tiveste “barriguinha”, provavelmente tentaste de tudo – dietas, exercício físico intenso, chás, suplementos, massagens e, até quem sabe, intervenções cirúrgicas como lipoaspirações. Contudo, e por mais que te esforces, parece não haver maneira de a fazer desaparecer.

Certamente já culpaste as bolachas e batatas fritas que comeste, as cervejas e refrigerantes que bebeste e tudo aquilo que possa ter levado ao aparecimento da maldita “barriguinha”.

O mais habitual é achar-se que os motivos que causaram a “barriguinha” encontram-se unicamente relacionados com a alimentação e falta de exercício físico. No entanto, existe um outro fator que tem uma forte influência sobre este tipo de gordura localizada: o stress.

 

COMO O STRESS PODE LEVAR AO APARECIMENTO DA “BARRIGUINHA”

Quando o teu cérebro interpreta uma dada situação como sendo uma ameaça à tua sobrevivência, este desencadeia uma resposta de stress.

Para teres uma ideia, este estímulo que desencadeou a resposta de stress, pode basear-se tanto num mero atraso para o trabalho como estares na selva a fugir de um tigre – uma vez que o teu cérebro não consegue distinguir um stress rotineiro vulgar, como estares atrasada, de uma situação em que a tua vida se encontra realmente em perigo, como teres um tigre esfomeado a correr atrás de ti.

Tomemos o exemplo de estares atrasada para o trabalho, presumindo que o exemplo do tigre seja improvável de ocorrer. Perante esta situação de stress, o teu organismo, que naquele momento acha que corres risco de vida, segrega uma série de hormonas que irão ajudar-te a estares apta para lutar pela tua sobrevivência. Uma dessas hormonas, o cortisol, rapidamente mobiliza glucose (açúcar) para o sangue de modo a dar-te o máximo de energia possível para poderes fugir, lutar, esconder-te ou passares uma temporada sem comida.

Uma vez que provavelmente não irás utilizar todo o açúcar mobilizado, já que estarás sentada no carro ou já no escritório e não a fugir de um tigre ou a lutar com ele, este irá acumular-se e ser armazenado sob a forma de gordura. Onde? No teu abdomén.

Este açúcar, que foi mobilizado durante a resposta de stress e acabou por não ser utilizado, irá ser armazenado sob a forma de gordura no teu abdómen, mais concretamente à volta dos teus órgãos vitais, dado que aí existe um elevado número de receptores de cortisol – a “hormona do stress” – e um grande aporte sanguíneo.

Quando episódios de stress acontecem ocasionalmente e por curtos períodos de tempo, o teu organismo tem a oportunidade de recuperar e reestabelecer o equilíbrio. No entanto, o problema surge quando estas respostas de stress se encontram acionadas constantemente, dia após dia.

Repetidamente, o teu organismo continua a receber sinal para mobilizar açúcar para o sangue e, não sendo este utilizado, acaba por se transformar em gordura, levando, com o passar do tempo, ao aparecimento da “barriguinha”.

 

SOLUÇÃO

Se o stress for o fator causal da tua “barriguinha”, dificilmente um regime alimentar e de exercício físico conseguirão solucionar esta questão. Bem que podes continuar a correr horas na passadeira e a comer apenas folhas de alface com rodelas de tomate, que essa “barriguinha” não há de desaparecer.

Aliás, quer a privação alimentar quer o exercício físico intenso podem até agravar a situação, uma vez que podem aumentar os níveis de stress, levando a um ciclo vicioso – mais stress, mais “barriguinha”; mais “barriguinha”, mais stress.

Deste modo, a solução passa não só por fazeres ajustes na tua alimentação e treino físico, como também por reconheceres potenciais fontes de stress presentes no teu dia-dia.

Vou então ajudar-te a identificar esses fatores de stress e que poderão estar na origem da tua “barriguinha”.

Responde a estas questões:

1.Em geral, qual o nível de stress que sentes num dia normal de semana (0-10) ?

Esta resposta irá ajudar-te a teres uma ideia acerca da intensidade de stress que experiencias no teu dia-a-dia.

Acima de 5 – cuidado; acima de 8 – ai, ai, ai, que algo precisas mesmo mudar!

2.Qual a altura do dia em que sentes mais stress? 

–  Manhã?

Qual a Razão?

–  Tarde?

Qual a razão?

–  Noite?

Qual a razão?

O que podes fazer em relação a cada uma dessas razões/fontes de stress?

Por exemplo: a altura do dia em que sinto mais stress é de manhã, pois acordo sempre mais tarde do que o deveria, o que me leva ter que começar o dia logo “stressada”. Solução: despertar mais cedo!

3. Qual área da tua vida que gera mais stress?

– Pessoal?

Qual a razão?

– Profissional?

Qual a razão?

– Social?

Qual a razão?

– Familiar?

Qual a razão?

O que podes fazer em relação a cada uma dessas razões/fontes de stress?

Por exemplo: a área da minha vida em que sinto mais stress é a familiar, porque não me sinto aceite ou compreendida tal como sou. Solução: conversar com as pessoas em questão ou simplesmente aprender a não depender da aceitação e aprovação dos outros (esta útlima é a minha preferida!).

 4. Dormes bem e suficientes horas? 

O sono ajuda o teu organismo a recuperar do stress que foi gerado durante o dia. Se não dormes o suficiente (7-9 horas), dificilmente o teu corpo irá relaxar e diminuir os níveis de cortisol no sangue. Aliás, a falta de sono poderá ser, por si só, uma grande fonte de stress.

Como saber se estás a dormir horas suficientes e a ter um sono de qualidade?

Fácil. Despertas bem disposta e cheia de energia ou ainda cansada e com vontade de atirar o despertador pela janela, virar para o lado e voltar a adormecer? Aí tens a resposta. 😉

 

O sistema hormonal, que sofre influência do stress, tem um peso crucial sob o teu peso corporal e gordura localizada. Não é só o que comes ou o exercício físico que fazes que podem levar ao aparecimento da “barriguinha”, mas também os níveis de stress que poderão estar constantemente presentes na tua vida.

Francisca Guimarães

Francisca Guimarães

"No blog, partilho dicas que te vão ajudar a estar bonita, saudável, jovem e cheia de energia."

Share This