Escolha uma Página

O perigo dos pensos higiénicos e tampões convencionais para a saúde + alternativa

Saúde
23 Abr, 2015

Todos os meses, durante a menstruação, a grande maioria das mulheres utiliza pensos higiénicos e/ou tampões, desconhecendo o perigo que estes apresentam para a sua saúde.

A pele é o maior órgão do nosso corpo, assim como um  dos mais finos e permeáveis. Isto significa que a grande parte das substâncias que entram em contacto com este órgão – a pele -, acabam por ser absorvidas para a corrente sanguínea, espalhando-se por todo o organismo.

Este facto é ainda mais importante e delicado no que diz respeito à vagina, uma vez que esta zona do corpo encontra-se muito vascularizada, permitindo uma absorção mais rápida e facilitada das substâncias que entram em contacto com a sua mucosa – para que compreendas a veracidade desta afirmação, basta pensares nos contraceptivos por via vaginal, em que o seu efeito é possível devido à absorção, através da parede da vagina, das hormonas químicas que o constituem.

No momento em que colocamos um tampão dentro da vagina, ou um penso higiénico – que se encontra em contacto direto com a pele da entrada da vagina -, as substâncias que se encontram neles presentes irão ser absorvidas pela mucosa vaginal, passando diretamente para a nossa corrente sanguínea.

Para agravar a situação, alguns dos materiais que constituem os pensos higiénicos e tampões são absorvíveis e tóxicos. Isto significa que todos os meses, uma certa quantidade destas substâncias irá entrar para o nosso organismo, criando uma acumulação de toxicidade que, ao longo do tempo, poderá despoletar uma série de desequilíbrios, que podem ir desde simples irritações e infeções locais a problemas graves a nível sistémico, principalmente ao nível do sistema reprodutor.

Os principais tóxicos, presentes nos pensos higiénicos e tampões, que poderão ser prejudiciais para a nossa saúde são:

DIOXINA

Até recentemente, o mecanismo de branqueamento dos pensos higiénicos e tampões convencionais era realizado através de cloro gasoso – cujo subproduto é a dioxina. De acordo com a World Health Organization, este químico, que é um pesticida e também um subproduto dos branqueamentos realizados nos pensos higiénicos e tampões, é altamente tóxico, podendo desencadear problemas reprodutores, como endometriose; problemas ao nível do desenvolvimento embrionário; danificar o sistema imunitário; interferir com o sistema hormonal e despoletar doenças oncológicas, devido às suas propriedades cancerígenas.

Após vários protestos, a Food and Drug Administration (FDA) afirma ter banido este método e optado por outros que não utilizam este tipo de cloro. No entanto, um estudo realizado pela FDA Office of Women’s Health afirma existirem vestígios de dioxinas em várias marcas de pensos higiénicos e tampões.

SEDA ARTIFICAL

A seda artificial é muito utilizada nos pensos higiénicos e tampões convencionais. Consiste numa fibra com propriedades absorventes, que rapidamente absorve o sangue da menstruação. Contudo, para além desta seda ser comummente branqueada através de cloro e outros químicos nocivos, ela desencadeia a secura da mucosa protetora da vagina.

FTALATOS

Os ftalatos são químicos industriais, utilizados para deixar plásticos mais maleáveis, que podem danificar o fígado, rins, pulmões e sistema reprodutor. Estes ftalatos, nomeadamente o DEHP, encontram-se presentes nos aplicadores de tampões de modo a conferirem-lhes suavidade.

ALGODÃO CONVENCIONAL

Segundo a Pesticide Action Network, o cultivo do algodão convencional utiliza mais inseticidas do que qualquer outro tipo de cultivo. Para além deste fator, o US Department of Agriculture estima que 94% do algodão é geneticamente modificado. Este tipo de algodão, que não é biológico, é utilizado no fabrico de pensos higiénicos e tampões convencionais.

 NEUTRALIZADORES DE ODOR E FRAGRÂNCIAS

As marcas estão sempre a tentar dar resposta aos problemas dos clientes, muitas vezes oferecendo “soluções” que apenas agravam o problema. A primeira questão é a seguinte: o odor forte no sangue menstrual poderá ser um sinal de que algo não está bem a nível do sistema reprodutor. Nestas situações, o ideal é que consultes a tua médica ou naturopata; não que optes por uma falsa solução que apenas irá camuflar a origem do problema. A segunda questão, e igualmente importante, é que os químicos utilizados nestas fragrâncias e neutralizadores de odor são prejudiciais ao pH da vagina e sua flora.

 

Para além da presença de certas substâncias tóxicas, como as acima descritas, os materiais que constituem os pensos higiénicos e tampões convencionais apresentam uma maior propensão a infeções vaginais. Isto acontece devido à restrição do fluxo de ar que provocam, entre o exterior e interior da vagina, aquecendo e humidificando a vagina, podendo desencadear infeções fúngicas e bacterianas nesta zona.

QUAL A ALTERNATIVA MAIS SEGURA AOS PENSOS HIGIÉNICOS E TAMPÕES?

Dentro de todas as opções existentes no mercado, incluindo pensos higiénicos e tampões biológicos, a escolha que considero mais segura, económica e ecológica é, sem dúvida, a Lunette (clica no vídeo abaixo para descobrires mais porque a recomendo).

 

Para mais informações acerca deste copo menstrual Lunette, clica aqui.

Francisca Guimarães - Miss Kale

Francisca Guimarães

"No blog, partilho dicas que te vão ajudar a estar bonita, saudável, jovem e cheia de energia."

EBOOKS

 

MARCAS QUE RECOMENDO

logo - conasi

 

logo - ORGANII

Logo Circulobio

Logo Simplyflow by Fatima Lopes

Share This